I crave space. It charges my batteries. It helps me breathe. Being around people can be so exhausting, because most of them love to take and barely know how to give. Except for a rare few.
— Katie Kacvinsky, First Comes Love (via wordsnquotes)

bau-das-palavras:

Me arranja um cômodo no teu peito?

Mesmo antes de nascer, já tinha alguém torcendo por você.
Tinha gente que torcia para você ser menino. Outros torciam para você ser menina. Torciam para você puxar a beleza da mãe, o bom humor do pai. Estavam torcendo para você nascer perfeito. Daí continuaram torcendo. Torceram pelo seu primeiro sorriso, pela primeira palavra, pelo primeiro passo. O seu primeiro dia de escola foi a maior torcida. E o primeiro gol, então? E de tanto torcerem por você, você aprendeu a torcer. Começou a torcer para ganhar muitos presentes e flagrar Papai Noel. Torcia o nariz para o quiabo e a escarola. Mas torcia por hambúrguer e refrigerante. Começou a torcer até para um time. Provavelmente, nesse dia, você descobriu que tem gente que torce diferente de você. Seus pais torciam para você comer de boca fechada, tomar banho, escovar os dentes, estudar inglês e piano. Eles só estavam torcendo para você ser uma pessoa bacana. Seus amigos torciam para você usar brinco, cabular aula, falar palavrão. Eles também estavam torcendo para você ser bacana. Nessas horas, você só torcia para não ter nascido. E por não saber pelo que você torcia, torcia torcido. Torceu para seus irmãos se ferrarem, torceu para o mundo explodir. E quando os hormônios começaram a torcer, torceu pelo primeiro beijo, pelo primeiro amasso. Depois começou a torcer pela sua liberdade. Torcia para viajar com a turma, ficar até tarde na rua. Sua mãe só torcia para você chegar vivo em casa. Passou a torcer o nariz para as roupas da sua irmã, para as idéias dos professores e para qualquer opinião dos seus pais. Todo mundo queria era torcer o seu pescoço. Foi quando até você começou a torcer pelo seu futuro. Torceu para ser médico, músico, advogado. Na dúvida, torceu para ser físico nuclear ou jogador de futebol. Seus pais torciam para passar logo essa fase. No dia do vestibular, uma grande torcida se formou. Pais, avós, vizinhos, namoradas e todos os santos torceram por você. Na faculdade, então, era torcida pra todo lado. Para a direita, esquerda, contra a corrupção, a fome na Albânia e o preço da coxinha na cantina. E, de torcida em torcida, um dia teve um torcicolo de tanto olhar para ela. Primeiro, torceu para ela não ter outro. Torceu para ela não te achar muito baixo, muito alto, muito gordo, muito magro. Descobriu que ela torcia igual a você. E de repente vocês estavam torcendo para não acordar desse sonho. Torceram para ganhar a geladeira, o microondas e a grana para a viagem de lua-de-mel. E daí pra frente você entendeu que a vida é uma grande torcida. Porque, mesmo antes do seu filho nascer, já tinha muita gente torcendo por ele. Mesmo com toda essa torcida, pode ser que você ainda não tenha conquistado algumas coisas. Mas muita gente ainda torce por você. Se procurar bem você acaba encontrando. Não a explicação duvidosa do mundo, mas a poesia inexplicável da vida. Eu torço por você.
Carlos Drummond de Andrade.    (via sepalas)
Essa música é sobre suicídio. Ela é muito, muito séria. Me desgasta pra caralho quando a gente toca, e as pessoas não percebem. É sobre uma menina que tem problemas com os pais. Ela se jogou da janela do quinto andar e não existe amanhã. (…) Eu não aguentaria ouvi-la duas vezes seguidas. Eu gostaria, então, que as pessoas prestassem atenção na letra e vissem que é uma coisa muito forte.
Renato Russo sobre “Pais e Filhos”.  (via de-sconsolado)
Eu disse á Deus que não o amo. Isso parece duro. “Deus, eu não o amo, mas me ensina a te amar”. Li que o amor precisa ser não só de palavras, mas de atitudes. E vi que meus desejos e impulsos ainda me levam a me afastar dele. Vi que faço planos sem consultá-lo e coloco meus sonhos, por vezes, acima do que Ele quer pra mim. Vi que cantava meu amor por ele, incessantemente, mas não compreendia o que é amá-lo realmente. Vi que nunca uma geração cantou tanto sobre Deus e o conheceu tão pouco. Vi que se esse amor á Deus não causa mudança onde vivo, no meu convívio com as pessoas, há algo de errado com esse amor. Então meu coração se inquietou. Não preciso compreender o amor dele por mim, basta aceitá-lo. Mas eu preciso compreender o que é ama-lo de verdade. Não sou tudo que queria ser, mas tirei as máscaras e assumi os erros. Deus só pode curar nosso coração se entregarmos todos os pedaços. E essa tem sido minha oração: Deus, eu não te amo ainda, mas eu quero, eu preciso. Me ensina a te amar.
A menina e o violão. (via deus-e-poeta)
Tomar uma dose de coragem e embebedar de atitudes.
— Resiliência da alma. (via resiliencia-da-alma)

avermelhar:

"Ele se fez vento e atravessou meu mundo, varreu minhas certezas. Eu me fiz chuva e chorei por dias, nublando o céu dele."

Sobre Miguel e Cecília.

avermelhar